Vastidão

Dy Eiterer

E no vasto mundo da Primavera, voam as borboletas.
Não sabem que são limitadas pelo azul,
Só existem e colorem o ar.
Só lá fora, onde ainda restam flores.
Aqui, do lado de dentro,
Sobre nossas cabeças o céu parecia desabar
Tudo era cinza e concreto
Água podre, fumaça e vento.
Pouca esperança sob escombros
E a força bruta se esvaindo.
Onde estava sua poesia,
A luz no fim do túnel,
A salvação da agonia?
Sou a borboleta sem asas
Ou de asas fechadas
(Quem é que sabe?)
Cansada, acuada
Respirando por teimosia
Resistindo por vocação
Mas, à beira do abismo
Sem poder pousar em nenhuma mão
E temendo o fim do inverno
Temendo não ver chegar seu fim
Temendo não voar no vasto mundo da Primavera
Em que os céus, de novo, se abrirão para mim.
Voam, agora, mais as folhas que o tempo,
Conto, agora, o fim das noites,
Mas desejo o entardecer das montanhas antigas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: