Ressaca

By Dy Eiterer Era a mesa de bar O antídoto "de esquecer". As unhas batendo à borda do copo, Os dedos sonhando as margens do corpo. Era um estado quase febril: Uma sensação de mormaço na nuca... Seu hálito... Seu (a)braço... Meus tremores, vapores. Era uma sede insaciável. Era a boca sussurrando. Era o pensamento... Continuar Lendo →

Atemporal

Sou de outras línguas. Não há tradução para o que sou Nem para o que sinto. Não há vozes que se assemelhem A esse trovão que me transpassa E que me invade Tremendo o chão sob meus pés. Não sou dessa poesia Nem desse grito Nem dessa linhagem Na qual escreveram a sua história. Da... Continuar Lendo →

Olha o Golpe!

Pela família. Pela moral. Pelos bons costumes. Por Deus. Por Deus! Por Dy Eiterer Derrubaram a mulher. A mulher guerreira na ditadura. A mulher envergada na ditadura. A mulher presidenta da República. Os homens em seus ternos sufocados, Em suas mentiras afogados. Defendendo sua integridade Ou a integralidade De sua mamatas. A mulher incomodava Mais... Continuar Lendo →

Vermelho-Sépia

Houve um grito, denúncia, assombro! Ouve o grito! Ouve agora como se fosse o SEU presente. Antes que o passado o esmoreça. Pior: antes que a mão, a boca cale. Quem disse que o feio não é arte? Quem disse que o horror não vira poesia? A quem cabe a medida do meu livre-arbítrio? A... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑